SSP apresenta detalhes da prisão de 14 suspeitos de homicídios em Maceió

A Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP) apresentou, durante coletiva à imprensa realizada na tarde de terça-feira (15), detalhes da prisão de 13 pessoas e a apreensão de um adolescente, todos suspeitos de envolvimento em homicídios. Entre os presos estão os responsáveis pelo esquartejamento da jovem Yessamin Sara Pereira, ocorrido em junho, na Grota da Alegria, além da suspeita de espancar a filha até a morte, no bairro do Bom Parto, em Maceió.

Segundo o delegado Bruno Emílio, da Delegacia de Homicídios da Capital (DHC), a morte da jovem Yessamin foi consequência de uma briga entre facções criminosas que atuam na região do Benedito Bentes.

Luiz Carlos Tavares da Silva, conhecido como “Ninho”, Karina Menezes Nunes e João Batista da Silva Barros, o “João Diabólico”, todos de 21 anos, foram presos em cumprimento de mandados de prisão expedidos pela 5ª Vara Criminal. Ninho foi preso no dia 15 de agosto no conjunto Geraldo Bulhões, Karina foi presa no dia 2 de agosto no Alto da Alegria e João Diabólico foi preso no dia 1º de agosto em Marechal Deodoro.

“Yessamin estava em uma festa e fez gestos referentes a uma facção rival, o que gerou o descontentamento desses indivíduos. Ela foi levada para o local do crime e esquartejada”, esclareceu o delegado.

Ele ainda destacou a periculosidade de “João Diabólico”, que apesar de negar o crime confessou que cometeu cinco homicídios na cidade de Marechal Deodoro entre os anos de 2013 e 2015, além de confirmar sua ligação com uma facção criminosa. “Durante sua prisão, policiais militares do 5º Batalhão encontraram 115 munições de fuzil em sua residência”, completou o delegado Bruno Emílio.

Ainda de acordo com as investigações, o trio é apontado também como responsável pelo esquartejamento de Isac Araújo Tavares. O crime ocorreu no mesmo local onde Yessamin foi brutalmente assassinada. Isac pertencia a uma facção rival e teve sua casa invadida por cerca de oito pessoas, que participaram do esquartejamento.

Outras prisões

O coordenador da Delegacia de Homicídios da Capital, Fábio Costa, deu detalhes de outras prisões, dentre elas a de Luana Soares da Silva, de 23 anos. Ela foi presa no dia 28 de julho, no bairro do Bom Parto, suspeita de ter espancado e matado a filha de apenas três anos de idade. “Ela alegou que a filha sofreu uma queda e que por isto teria passado mal, mas ao chegar na Delegacia de Homicídios confessou que espancou a filha até a morte pelo fato da criança fazer bagunça”, explicou.

Já no dia 26 de julho as equipes da DHC apreenderam o adolescente M.P.S.M., de 17 anos, suspeito de matar Carlos Alberto Santos da Conceição, de 19 anos, no bairro do Clima Bom. Segundo explicou o delegado Fábio Costa, o menor teria assaltado a vítima e soube que Carlos Alberto o teria reconhecido. “Com medo de ser denunciado à polícia, o menor decidiu assassinar a vítima”, disse o delegado.

No dia 29 de julho, Douglas José da Silva, de 19 anos, foi preso em frente ao Tribunal de Justiça, no Centro de Maceió, acusado de matar o morador de rua Adevan Davi de Oliveira, de 29 anos. Durante depoimento, o suspeito alegou ter cometido o crime após Adevan roubar seu tubo de cola.

Também estão presos Darlisson Silva Diniz, conhecido como “Pingo”, de 19 anos, e José Ronaldo de Lima Sena, o “Bocão”, de 24 anos. De acordo com as investigações, ambos seriam integrantes de uma facção criminosa, teriam assassinado Fernando Miguel Leite Feitosa e tentado matar Carlos Fernando Silva Coutinho, em março deste ano no Papódromo, no bairro do Trapiche. Eles foram presos no dia 4 de agosto em cumprimento de mandados de prisão expedidos pela 9ª Vara Criminal da Capital.

Segundo esclareceu o delegado Fábio Costa, o crime teria ocorrido pelo fato de autores e vítimas pertencerem a facções criminosas rivais.

Já Alex Francisco Lima de Souza, o “Leque”, de 20 anos, também foi preso no dia 4 deste mês em cumprimento a mandado de prisão expedido pela 7ª Vara Criminal da Capital. Segundo as investigações, ele teria assassinado a tiros o vendedor de coco Akson Correia de Farias, no Mercado da Produção. “O crime teve participação ainda de Jonathan dos Santos Silva, que já está preso e foi apresentado aqui na SSP. O crime teve como motivação desavenças familiares, já que a vítima e Leque eram primos”, detalhou Fábio Costa.

Klebson da Silva Alves, de 18 anos, foi preso no dia 9, no Bom Parto, em cumprimento a mandado de prisão expedido pela 7ª Vara Criminal da Capital. Segundo as investigações, ele teria matado a tiros Adison José da Silva, no dia 26 de março por conta de guerra entre facções criminosas.

Também foi apresentada a prisão de Daniel Santos de Araújo Ernesto, conhecido como “Romário”, de 20 anos. Ele foi preso no dia 10 de agosto no bairro do Vergel em cumprimento a mandado de prisão expedido pela 8ª Vara Criminal da Capital. Daniel é acusado de assassinar Madson Berg de Oliveira e Roberto Flores da Silva, no dia 10 de março, no bairro da Ponta Grossa. Segundo as investigações, os crimes também tiveram como motivação a guerra entre facções criminosas.

Michel Pedro da Silva, conhecido como “Cabeça”, de 23 anos, foi preso nesta segunda-feira (14) em cumprimento a mandado de internação compulsória expedido pela 7ª Vara Criminal da Capital após ter espancado a avó materna durante um surto psicótico. A vítima não resistiu aos ferimentos e morreu.

Também foi preso na segunda-feira Swellesson Laurentino da Silva, de 28 anos, em cumprimento a mandado de prisão preventiva expedido pela 7ª Vara Criminal da Capital. Ele é acusado de ter assassinado, no dia 4 de junho, Antônio Sebastião de Oliveira, de 46 anos, no bairro da Santa Lúcia. Ambos estavam embriagados e teriam discutido.

Por fim, o delegado Fábio Costa apresentou detalhes da prisão de Jeferson Silva da Costa, de 25 anos, em cumprimento a mandado de prisão preventiva expedido pela 8ª Vara Criminal da Capital. Ele é suspeito de assassinar a tiros Josias dos Santos, no dia 18 de junho, na balança de peixes do bairro do Jaraguá.

O secretário da Segurança Pública, Lima Júnior, parabenizou as equipes das polícias Civil e Militar envolvidas em todas as ações que culminaram com as prisões e destacou o grande número de integrantes de facções criminosas que vêm sendo presos com frequência. Ele também destacou o trabalho desempenhado para conseguir elucidar as mortes de moradores de rua.

“O Brasil é refém de uma guerra de facções. Todas as coletivas temos um número expressivo de presos ligados a essas organizações criminosas. Com relação aos crimes contra moradores de rua, as investigações apontam que a grande maioria é praticada entre eles por disputa por drogas, território, entre outros motivos. As forças de segurança têm dado resposta, prendido os autores e apresentado à Justiça”, afirmou.

Ascom – 16/08/2017

(Visited 7 times, 1 visits today)